Pesquisar no blog

quinta-feira, 22 de abril de 2010

PLANO DE AULA - TESTE SEU SOLO


COMO CONHECER A QUALIDADE DO SOLO:








Textura

Teste para saber grosseiramente qual o seu tipo de solo
  • Com uma pá de jardim cave um pequeno buraco de 15 a 20cm de profundidade
  • Retire uma pá da terra revolvida, coloque num recipiente de vidro liso transparente.
  • complete-o com água e agite bem
Deixe-o descansar, para que toda terra assente novamente

Uma série de camadas diferentes deve aparecer. Embaixo ficarão as areias, de grãos mais grossos. No meio, as argilas, de partículas finas. Em cima, uma camada preta de húmus, que pode nem ser perceptível ao olho nu.
Em suspensão na água, talvez fique um pouco de argila fina, especialmente se a terra for vermelha. E na superfície da água estará a matéria orgânica não decomposta.

Comparando o tamanho das camadas é possível ter uma ideia do tipo do solo:
  • % de argila - Tipos de solo
  • Menos de 15 - Arenoso
  • Entre 20 e 40 - Arenoso/ argiloso
  • Mais de 40 - Argiloso
A matéria orgânica de nossos solos dificilmente alcança os 5%. Considere-se feliz, portanto, se conseguir distinguir uma camada preta no seu vidro.

Confirmação do teste:
  • Introduza as mãos na terra úmida, pegue uma porção do solo e amasse-o;
  • Em seguida bata bem as palmas das mãos (bater palma);
    Marcas nas mãos Tipo do solo
  • Se ficarem sujas, tingidas, cheias de terras Tende a ser argiloso
    nas linhas e nas marcas digitais
  • Limpas e sentir os grãos rasparem nas palmas Tende a ser arenoso
Para uma horta, onde não entram implementos pesados e a irrigação é quase diária, o solo arenoso traz mais vantagens, desde que sempre seja incorporada bastante matéria orgânica. No solo arenoso é mais fácil germinarem as pequenas sementes de hortaliças e os canteiros não precisam ser muitos altos, porque a leveza da terra garante a facilidade de penetração das cenouras, nabos, rabanetes, etc.
Já o solo argiloso requer mais cuidado. Precisa de matéria orgânica de origem vegetal (palhas e restos de cultura); é bom também afofar os canteiros e cobri-los com algum tipo de cobertura morta. A argila tende a formar crostas na superfície do solo, impedindo a passagem do ar e a infiltração da água, que escorre e provoca erosão.

Estrutura (porosa ou compactada)
A segunda questão da análise física do solo, é saber como as areias, argilas e matérias orgânicas estão ligadas entre si e se existem ou não poros entre elas. O solo ideal parece com uma esponja: tem 50% de sólido e 50% de ar e água. O ar e a água devem estar bem distribuídos.


Se ocorrer excesso de água e falta de ar, tem-se como consequência:
 
Excesso de água e oxigênio
  1. A temperatura do solo abaixa;
  2. A decomposição da matéria orgânica retarda-se ou paralisa-se;
  3. diminuem as reações químicas que tornam os nutrientes disponíveis;
  4. aumenta a atividade de microorganismo prejudicial;
  5. o ferro e o manganês dissolvem-se intoxicando os vegetais.
Falta de água e oxigênio

  1. A temperatura tende a subir;
  2. As raízes não conseguem absorver os nutrientes e suas extremidades podem secar, obrigando a planta a produzir novas raízes de absorção cada vez que chove;
  3. A matéria orgânica pode ser destruída;
  4. Toda atividade de micro-organismos fica prejudicada.
Ocorrendo mau uso do solo em que não há ar nem águas suficientes. O solo é mal estruturado, sem porosidade, excessivamente compacto. A compactação pode estar na superfície, na forma de crostas impermeáveis. Ou alguns centímetros de profundidade impedindo o bom desenvolvimento das raízes. Em ambos os casos, a falta de estruturação conduz a erosão, a redução da capacidade de armazenamento de água, falta de oxigênio e aquecimento do solo.
Se não ocorrer uma boa permutação entre o ar do solo com o ar atmosférico, o CO2 (gás carbônico) se acumula, às raízes ficam asfixiadas e aumenta a sensibilidade das plantas aos parasitas.

Indícios de má estrutura
 

Alguns indicadores simples:
  • certas plantas invasoras só crescem em solos compactados; como guanxuma, assa-peixe, cabelo de porco, etc;
  • quando ocorre excesso de água e má aeração, aparecem carqueja, gramíneas baixas e folhas muitos estreitas;
  • o desaparecimento das leguminosas onde só as gramíneas resistem, indicam má aeração;
  • o acúmulo de pó na superfície da terra e o aparecimento de nuvens de poeira sempre que venta;
  • a raíz principal de qualquer erva ou arbusto que penetre mais de 30 cm de profundidade: se ela desce reta, sem estrangulamento ou deformações, com ramificações + ou – uniformes, o solo é bem estruturado. Se ela desce reta até um ponto e de repente tem um desvio ou afinamento, o solo deve estar compactado a partir daquela profundidade.
Teste de estruturação do solo
  • Faça um buraco com uma enxada, tendo o cuidado de não desmanchar demais os torrões que se forma;
  • Pegue um torrão grande e coloque-o inteiro num recipiente com água, suficiente para deixá-lo submerso.
Observe:
Se o torrão desmoronar rapidamente, o solo está mal estruturado. Se ele mantiver agregado, soltando bolhas de ar e desmoronando lentamente, estar
bem estruturado.

O pH
Análise da fertilidade química do solo detecta-se o seu pH representado por um número de 0 a 14, o pH indica se o solo é ácido, neutro ou alcalino. Normalmente o solo não tem pH <> 8. quase todo solo brasileiro é ácido com pH inferior a 6. As exceções são algumas manchas de terra rocha.
Temos de definir o grau de acidez, isto é, se ele é muito ou pouco ácido:

Grau - pH
  • 4 a 6 - Ácido
  • 6 a 7 - Neutro
  • 7 a 8 - Alcalino
Indícios de solo ácido:
  • aparecimentos de sapé e samambaias;
  • aparecimentos de cumpizeiros e formigueiros;
  • observe as poças d’agua
  • turva – solo muito ácido,
  • limpa – solo menos ácido, quase neutro
Se não houver poças à vista, elas podem ser fabricadas: coloque um pouco de terra num vidro com água de chuva e após a terra assentar observe se a água ficou turva ou não.
Solo ácido significa que as reações químicas favoráveis às plantas não acontecem com tanta facilidade e os nutrientes não podem ser absorvidos pelas raízes. Ele é composto por excesso de hidrogênio positivo que grudam na argila e não deixam lugar para os nutrientes importantes como o nitrogênio, potássio e fósforo.
Acrescentar esses nutrientes ao solo é uma tarefa quase inútil. Por isso antes de adubar é necessário fazer a calagem (aumento das quantidades de cálcio e magnésio, que faz diminuir em pouco tempo o hidrogênio que causa acidez, o alumínio e manganês, tóxicos para as plantas).
Após a calagem a melhor forma de adubar é através do composto orgânico, pois nele a matéria orgânica já se transformou em húmus, passando imediatamente a agir não só como fertilizante mas como um elemento melhorador da estrutura do solo.


CLIQUE - EXPERIMENTO DE   RETENÇÃO DA ÁGUA PELO SOLO

Postar um comentário