Pesquisar no blog

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

COBRA DE VIDRO. PARECE MAIS NÃO É



Nem cobra, nem de vidro. O bicho bizarro é um lagarto ápodo .
Vive sob o folhiço nas matas e, por isso, perdeu as patas ficando com a aparência de uma serpente. Ele possui pálpebras e língua não bifurcada. Já o vidro deve-se a outra peculiaridade, a autotomia caudal, hábito de perder a cauda quando perturbada.


O cobra-de-vidro (Anguis fragilis) é um réptil da ordem dos sáurios (é, portanto, um lagarto), de membros ausentes (ápode). Pertence à família dos anguídeos. Apesar do nome vulgar "cobra-de-vidro", estes animais são, de fato, lagartos. Entre as características que os diferenciam das cobras estão:
  • a pálpebra – os lagartos possuem pálpebras móveis e as cobras não;
  • a sua língua é dividida em vez de bifurcada, como acontece nas cobras;
  • a troca de pele desses lagartos ocorre em farrapos, em vez da pele inteira, como acontece nas cobras.
A pele tem um toque suave e é composta por escamas não sobrepostas. Tal como outros lagartos, pode perder a cauda, de forma a fugir a predadores. A cauda volta, depois, a crescer, mas raramente atinge o tamanho inicial. As fêmeas têm frequentemente uma risca no dorso, enquanto que o macho pode ter manchas azuladas. São animais diurnos, gostando de se aquecer ao sol..
As fêmeas dão à luz crias plenamente desenvolvida. São, portanto, animais ovovivíparos. Podem ser encontradas, nos dias antes do parto, em locais soalheiros e quentes, tomando banhos de sol. São comuns em jardins e especialmente benéficos, já que ajudam a controlar pragas prejudiciais de insetos e lesmas. O jardineiro pode encorajar a permanência destes animais colocando chapas de zinco ou plásticos pretos no chão já que o licranço gosta especialmente de se colocar debaixo de tais objetos que funcionam como coletores de calor. Esse lagarto é inofensivo.
Comprimento
Pode alcançar até 50 cm
Tempo de vida
Até 45 anos
Cor
Marrom ao bronze
Alimentação
São carnívoros e, como se alimentam de lagartas, larvas e lesmas, baratinhas, grilos e tenébrios encontram-se frequentemente junto a campos com erva




http://www.petbr.com.br / museudebiologia.blogspot.com.br/ http://zoovirtualbr.blogspot.com.br/ 
Postar um comentário