Pesquisar no blog

sábado, 4 de março de 2017

VIDA E MORTE PANTANAL


O Pantanal Mato-Grossense é considerado a maior planície alagada contínua do mundo, uma imensa área de sedimentação e inundação cuja fonte provém do planalto que o circunda.




NASCIMENTO
Segundo o grande geógrafo, professor Aziz Ab’Saber, o  pantanal é resultado de um processo geológico progressivo de afundamento (subsidência) do que antes era  uma grande saliência, por conta de falhamentos  de blocos, culminando com uma gigantesca movimentação da placa tectônica (orogênese andina – ou seja, o surgimento abrupto e violento da cordilheira dos Andes), há milhões de anos, provavelmente no chamado período terciário. Posteriormente, o terreno passou por dissecação intensa em condições climáticas ainda mais úmidas que a atual, sendo individualizado no período Pleistoceno,  resultando na depressão para onde foram e ainda são carreados sedimentos. Divide-se em várias sub-bacias hidrográficas, considerando as diferenças de sedimentos, tipo de solo, drenagem, altimetria e vegetação.
Por sofrer assoreamento constante,  a drenagem das águas na depressão sedimentar é lenta,  gerando alagamentos. Ademais,  as águas superficiais ficam retidas, estranguladas  no seu curso por um gargalo geológico formado por elevações à jusante,  chamadas “Fecho dos Morros do Sul”, no Paraguai.
A depressão está localizada no alto curso do Rio Paraguai, que integra a grande bacia do Prata, um complexo sistema hídrico alimentado por águas vertidas  “de fora para dentro” – das beiradas dos planaltos à leste (do planalto central e desde a Serra do Mar),  da cordilheira andina à oeste e do planalto amazônico ao norte –  para o interior  do continente, em direção ao sul, até a foz do Rio da Prata,  onde irá alimentar o frio Oceano Atlântico – Sul com enorme volume de água doce provinda da quente região equatorial. Esse  incrível “sistema invertido” banha cinco países e forma a segunda maior bacia hídrica da América do Sul, a qual reponde  por 60% da geração de energia por hidrelétricas no continente. O pantanal recebe, portanto, influência direta de três importantes biomas: Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica. Não fosse, portanto, pelo grande fluxo de água na região e pelo fato de resultar em um grande reservatório, que armazena as águas que escoam dos planaltos circundantes, o pantanal seria tão seco quanto a caatinga.
   
VIDA
Sobre essa formação  hidro-geológica desenvolveu-se todo um bioma, o Complexo do Pantanal, coberto por uma formação de cerrado com a região alagada coberta de vegetação rasteira, de planície – formando uma “savana estépica”,  com 250 mil km² de extensão,  e altitude entre 90 a 200 metros acima do nível do mar.  O pantanal, por todas essas peculiaridades, se assemelha a área subtropical próxima ao mar, em pleno centro do continente. Não por outro motivo, animais similares aos que se encontram no oceano e regiões costeiras, existem no pantanal.
Já foram catalogadas ali cerca de 263 espécies de peixes, 41 espécies de anfíbios, 113 espécies de répteis, 463 espécies de aves e 132 espécies de mamíferos –  sendo 2 endêmicas (ou seja, só existem ali). Foram também catalogadas quase duas mil espécies de plantas – identificadas e classificadas inclusive de acordo com seu potencial medicinal. Seres humanos também compõe a fauna local, e formam uma grande riqueza cultural, pelas comunidades tradicionais indígenas,  de quilombolas e  de pantaneiros. Tamanha é sua biodiversidade, que o Pantanal foi considerado pela UNESCO, Patrimônio Natural Mundial e Reserva da Biosfera.  O governo brasileiro instituiu na região o Parque Nacional do Pantanal. Porém, segundo o Ministério do Meio Ambiente, apenas 4,6% do Pantanal encontram-se protegidos por unidades de conservação, dos quais 2,9% correspondem a UCs de proteção integral e 1,7% a UCs de uso sustentável.
No Brasil, a região abrange o oeste do estado do Mato Grosso e o noroeste do estado do Mato Grosso do Sul (140.000 km2 em território brasileiro). Engloba o norte do Paraguai e o leste da Bolívia – nesses países é chamado de chaco. As ações governamentais de preservação, no entanto, constituem forma de retardar um processo de degradação natural previsível, hoje acelerada pela poluição.   Ocorre que o bioma não perdeu sua característica sedimentar. Continua a ser assoreado e está, a cada dia, sofrendo impactos decorrentes não apenas das alterações climáticas, como também das ações humanas.

PROVÁVEL MORTE (PRÓXIMA?)
A morte do pantanal é certa. O problema é que este momento se aproxima e pode ocorrer ainda neste século. Um estudo recentemente publicado no livro Dynamics of the Pantanal Wetland in South America – “Climate Change Scenarios in the Pantanal” – aponta que as planícies alagadas do pantanal correm o risco de “sumir” até 2100. A obra é fruto de pesquisas organizadas pelos cientístas do CEMADEN – Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais e do CCST – INPE – Centro de Ciência do Sistema Terrestre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, ambos do MCT (Ministério de Ciência e Tecnologia). Seus autores são os professores Jose A. Marengo , Gilvan S. Oliveira e Lincoln M. Alves.em Cachoeira Paulista. Eles tiveram o apoio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo) e do INCT (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas).
Segundo a obra, as principais causas de risco são o aumento da temperatura na região em até 7% e a diminuição das chuvas em até 40%. Hoje, durante os meses de cheia – novembro a março – os rios transbordam em até 70%. Nos meses restantes, de seca, quando as águas baixam, formam-se camadas de sedimentos férteis que impulsionam o crescimento da vegetação e das pastagens.  Todo esse rico ciclo  hidrológico corre o risco de ser extinto, de acordo com o estudo realizado pela equipe do hidrologista e meteorologista José Antonio Marengo Orsini, do CEMADEN. “Um aumento da temperatura média de 5º C a 6 °C  implicaria em deficiência hídrica, o que afetaria a biodiversidade e a população”, observa Marengo. “Isso porque o aumento da temperatura e diminuição das chuvas provocará o aumento da evaporação das águas do pantanal e comprometerá drasticamente toda a sua biodiversidade”, completa o cientista.
O estudo ressalta o aumento da temperatura mundial e projeta para a região pantaneira um aumento em torno de 10° C, até 2100, chegando aos 50°C nos dias mais quentes (hoje, a média já chega a ultrapassar os 40°C).  Estamos próximos de uma temperatura de deserto. O fato compromete a fauna e a flora do bioma. Embora as questões climáticas sejam uma realidade que comprometem todo o planeta, há outro perigo: a falta de controle territorial dos governos atingidos pelo Bioma. Também aponta o “descaso com o avanço da agropecuária e do turismo sem a devida fiscalização”. Critica o acesso descontrolado às poucas áreas de preservação e, também, aponta a multiplicação de atividades ilegais na região pantaneira. De fato, o fator humano é um componente sinistro na tragédia que naturalmente se avizinha.



Referência
http://www.theeagleview.com.br

Nenhum comentário: