Pesquisar no blog

terça-feira, 1 de maio de 2012

FATORES QUE DETERMINAM O PREÇO DAS GEMAS

O termo gema designa, além das pedras preciosas, também substâncias orgânicas, como pérola, âmbar, coral, madrepérola, marfim, etc., as pedras sintéticas (cada vez mais numerosas) e as artificiais (poucas). De todas elas, porém, as mais valiosas são as gemas minerais naturais.
O que torna um mineral valioso como adorno pessoal são basicamente duas características, a beleza e a raridade.  Mas, isso não significa que a gema mais rara é sempre mais valiosa. O citrino e a ametista, por exemplo, ambos variedades de quartzo, têm preços diferentes; a ametista, embora mais comum, é mais valiosa.Por outro lado, podem ocorrer alguns paradoxos. A andaluzita, por exemplo, é uma gema relativamente rara e, por isso, é pouco conhecida. Sendo pouco conhecida, é pouco procurada e, com pouca procura, acaba sendo relativamente barata.Outro fator a ser considerado é a moda. Há épocas em que uma determinada gema é mais procurada, enquanto outras caem em relativo esquecimento.  E há enfim, a questão da abundância ou escassez local: a ametista e a ágata são muito mais baratas no Brasil, maior produtor mundial, do que na Europa.  O preço de uma gema sempre é levada a máxima do capitalismo, a lei da oferta e procura.
O diamante, em vários aspectos a mais importante das gemas, tem seu valor muito influenciado por um fator extra: a produção e o venda desta gema são, em grande parte, controladas por uma única empresa, a DeBeers Consolited Mines, que controla a oferta e, dessa maneira, influencia muito no preço final. Essa influência já foi maior e a tendência é diminuir ainda mais pela crescente presença dos diamantes sintéticos no mercado de gemas.
 O valor de uma pedra preciosa em particular depende de quatro fatores:
 TAMANHO: uma gema de 1 quilate (200 mg), por exemplo, sempre valerá mais que duas de meio quilate com mesma qualidade. Convém lembrar também que as gemas têm diferentes densidades (a opala é bem mais leve que o topázio) e, assim, gemas de mesmo tamanho podem ter pesos diferentes.
COR: em princípio, quanto mais escura a cor, mais valiosa a gema. A turmalina verde é uma exceção e o diamante, a menos que tenha cor bem definida, é tanto mais valioso quanto mais incolor for.  É importante também que a cor seja uniforme.
PUREZA: a ausência de inclusões (impurezas e fraturas) é sempre desejável. Esmeraldas, porém, só se mostram puras em gemas muito pequenas, pois é normal que sejam cheias de fraturas, preenchidas por impurezas.
LAPIDAÇÃO: gema de boa cor e boa pureza pode ter seu preço diminuído se não for bem lapidada.  Isso é particularmente importante no caso do diamante, pois, sendo, na grande maioria das vezes, incolor, tem no brilho uma característica importante. E bom brilho depende muito de uma boa lapidação.
Tudo isso torna bastante difícil elaborar uma lista das gemas mais valiosas, a menos que se considere puramente o valor de mercado.  Aí, basta ver a cotação atual em empresas especializadas, lembrando, porém, que os valores mudam de acordo com variáveis acima e outras, previsíveis em maior ou menor grau. Levando em conta critérios técnicos e mercadológicos e usando o maior preço médio por quilate (1 quilate = 200 mg) pago no mercado internacional.
As dez gemas mais valiosas hoje são as seguintes
1º Diamante – até US$ 63.000 por quilate. Valor passível de influência pela presença crescente de diamantes sintéticos no mercado.





2º Turmalina Paraíba – até US$ 15.000 por quilate. Descoberta inicialmente na Paraíba (daí seu nome), foi posteriormente descoberta também na África. As jazidas brasileiras, porém, já estão esgotadas e as africanas estão em vias de exaustão, o que deverá elevar esse preço (se já não elevou). Valor tão alto explica-se pela incomparável cor azul dessas gemas.

 3º Rubi e safira – até US$ 12.000 por quilate. Rubi e safira são diferentes variedades de um mesmo mineral, o coríndon. O rubi é vermelho e a safira pode ter qualquer outra cor, sendo mais valiosa a azul.

5º Esmeralda, opala-negra e alexandrita – até US$ 9.000 por quilate. O preço da esmeralda varia muito em razão das impurezas que pode ter; gemas puras são sempre de pequenas dimensões.  Opala-negra é aquela que tem um fundo escuro, sobre o qual ficam ressaltadas suas numerosas cores. A alexandrita, além de muito rara, destaca-se por ter cor verde em luz natural e vermelha em luz artificial.




8º – até US$ 5.000. O demantóide é uma rara granada de cor verde.




 

9º Olho-de-gato – até US$ 3.500. Variedade de crisoberilo, como a alexandrita, o olho-de-gato recebe este nome por exibir chatoyance, faixa luminosa que lhe dá o aspecto de um olho de felino.  Embora essa característica esteja presente também em outras gemas, nenhuma delas atinge preço tão alto.



10º Topázio-imperial – até US$ 2.000.  Produzido apenas no Brasil, o topázio-imperial tem cor laranja, rosa, salmão ou avermelhada. Delas, a mais valorizada é a vermelha.






FONTE:  http://www.cprm.gov.br
Postar um comentário