Pesquisar no blog

domingo, 9 de julho de 2017

MELHORAMENTO DO SOLO

A utilização de técnicas para melhorar o solo depende do tipo de ambiente em que será realizado o plantio, de modo a implementar o melhor método de cultivo. A melhoria do solo serve não somente para aumentar a produtividade, mas também para a conservação ambiental.




Com o objetivo de obter uma melhor produtividade na agricultura e manter o equilíbrio entre a produção de matérias-primas e a preservação da natureza, existem diferentes técnicas para melhorar o solo e que mantêm o seu uso sustentável. Afinal, o seu uso de maneira predatória ou incorreta pode acarretar problemas como a desertificação, a arenização, a intensificação de erosões e outros. Em geral, é preciso conhecer bem o solo antes de aplicar qualquer medida de melhoria. Todavia, podemos elencar algumas técnicas em um âmbito geral, a saber:

  • Aplicação de adubo orgânico ou de origem mineral em solos que possuem baixo teor de nutrientes. Eles servem para aumentar a fertilidade do terreno e impedir o seu rápido esgotamento.
  • Em solos pobres, também é possível alternar o plantio de um determinado produto com o cultivo de plantas leguminosas, chamadas de “adubos verdes”, como o tremoço, o feijão-de-corda, a leucena e outras. Além de aumentar o nível de nitrogênio no solo, a adubação verde potencializa a produção de húmus.
  • Utilização de técnicas de irrigação que tanto preservem o uso da água quanto evitem a ocorrência da salinização do solo em regiões com alto índice de evaporação.
  • Aplicação de técnicas de correção da acidez em tipos de solo em que há essa necessidade, como aqueles que apresentam um elevado teor de alumínio, a exemplo dos latossolos. A mais conhecida das técnicas de correção é a calagem, que consiste na adição de calcário para adubação.
  • Emprego da técnica de minhocultura, que, como o nome indica, consiste na utilização de minhocas, além de larvas e insetos, para fertilização do terreno e construção de pequenos “túneis” que servem para a passagem de ar.
  • Realização de análise do tipo de solo para utilizar as máquinas agrícolas específicas para cada tipo, de modo a preservar a sua produtividade.
  • Contenção da erosão por meio de diferentes técnicas de cultivo, como a de curvas de nível, o terraceamento ou, até mesmo, cobrir o solo com vegetação para evitar a exposição dele aos agentes intempéricos.
  • Aplicação de técnicas agrícolas específicas, como a rotação de cultura e o afolhamento, utilizado para descansar uma parte do terreno enquanto outras são cultivadas, em uma espécie de revezamento.

Existem diversas formas de cultivo na prática da agricultura: plantio direto, rotação de culturas, curvas de nível e afolhamento. Essa diversidade de técnicas existe em razão dos diferentes fins, ora os agricultores priorizam a produtividade, ora priorizam a conservação dos solos. É preciso, pois, conhecer as diferentes formas de conservação do solo propiciadas por cada uma dessas técnicas de cultivo.
  • O sistema de plantio direto, como o próprio nome sugere, baseia-se em realizar o cultivo diretamente sobre o solo, aproveitando os restos orgânicos da colheita anterior. Tal técnica é considerada agressiva, uma vez que não concede tempo para a reposição dos nutrientes perdidos pelo solo na colheita anterior e demanda o uso de uma quantidade maior de herbicidas.
  • A rotação de culturas é importante para repor os nutrientes do solo e conservar o espaço agrícola. Ocorre uma alternância entre os tipos de produtos a serem cultivados. Tal alternância não pode ser realizada aleatoriamente, os produtos a serem cultivados devem possuir certa demanda no mercado e proporcionar recuperações dos nutrientes do solo. É a técnica mais adequada para a manutenção da qualidade das terras ou, pelo menos, para conter as agressões ambientais realizadas pela agricultura. Sequência de culturas. Designa a alternância no plantio ordenado de uma área total, por exemplo: cultiva-se soja, depois tremoço, depois milho etc. 
  • Outra boa técnica de cultivo do solo é a do terraceamento. Ela consiste em realizar a produção ordenando a plantação em linhas que seguem as diferenças de altitude do solo. Essa técnica é mais adequada para terrenos com declividades (morros, por exemplo) e ajuda a conter o processo de erosão dos solos. Além disso, contribui para a contenção de água, pois, dessa forma, ela escorre mais devagar e tem maior chance de infiltrar na terra.
  • Afolhamento, método de plantio que divide o terreno agricultável em duas partes cultivadas e uma em descanso. Essa última parte permanece sem plantio para a recuperação de seus nutrientes durante cerca de dois anos. Depois acontece um revezamento entre as áreas.


Referências
http://i-uma.edu.br/blog/2013/07/rotacao-de-culturas-sucesso-ou-sucessao/
http://www.scielo.br/pdf/cr/v39n6/a236cr988.pdf
http://www.canalrural.com.br
https://www.embrapa.br/
https://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/ 

Nenhum comentário: