Pesquisar no blog

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

ATOL DAS ROCAS - BRASIL

 
Mergulhe no atol das Rocas, um santuário ecológico visitado por milhares de peixes e aves - e nenhum turista. Paraíso atlântico.



OÁSIS DAS ESPÉCIES - No oceano Atlântico, a 266 quilômetros do litoral do Rio Grande do Norte, há um grupo de pequenos bancos de areia e recifes em forma oval, o atol das Rocas. É o topo de um vulcão que se eleva desde 3 mil metros de profundidade. O ambiente é inóspito para o homem - não há água doce e a área total é menor do que a de cinco campos de futebol - mas um paraíso para espécies como esta tartaruga verde, que está ameaçada de extinção.

GAIATOS E FAMINTOS - As poucas áreas de terra firme são infestadas de pequenos bichos, muitos deles trazidos como intrusos em navios. Os animais disputam a tapa qualquer objeto. O fotógrafo precisou lutar para eliminar um formigueiro que começou a crescer dentro da lente da câmara e, em um momento de distração, caranguejos como este devoraram metade de seu chinelo.


PASSEIO MATINAL
Este é um dos raros momentos em que um polvo sai para passear à luz do dia. Ele se alimenta dos filhotes de tartaruga da região e os disputa com os tubarões que também se reproduzem ali.





SAI FORA!
Longe de cobras, lagartos e gatos do mato, não há nenhum predador que atrapalhe o sossego de aves como este atobá-mascarado. A grande preocupação é garantir o espaço nos ninhais superlotados.




NEM ME VIU
O linguado vive junto ao fundo do mar e desenvolveu truques para se adaptar a esse estilo de vida: ele possui os dois olhos virados para cima e muda de cor de acordo com o lugar em que está parado.



 
AVEPORTO
Cerca de 150 mil aves passam pelo atol todo ano. A andorinha é uma das cinco espécies que se reproduzem ali, mas outras 25 passam na ilha durante a migração para descansar ou conseguir comida.




AQUÁRIO NATURAL
A água no interior do anel de recifes forma piscinas naturais totalmente cristalinas, onde vivem animais como esta arraia-lixa. O turismo foi proibido para proteger esse ecossistema tão delicado. Os únicos a visitar a ilha são cientistas.





TERRAS TEMPORÁRIAS
Rocas são estes grandes blocos de recife que se espalham na parte leste do atol. A maioria só pode ser vista durante a maré baixa. Quando ela enche, sobram apenas as pedras maiores e duas ilhas.



 
FORA DE VISTA
O ponto mais alto do atol não passa de 3 metros, tão baixo que os barcos costumam perdê-lo em meio às ondas. Dezenas de embarcações já se chocaram contra os recifes e naufragaram. Estas ruínas são de um farol construído em 1887 para alertar os navios. Ele foi substituído por um automático depois que alguns faroleiros passaram maus momentos e até morreram de sede.










fonte: superinteressante por Rafael Kenski

Nenhum comentário: