Pesquisar no blog

quinta-feira, 26 de julho de 2012

ONDE ESTÃO AS ABELHAS ?

Silenciosamente, bilhões de abelhas estão morrendo, colocando toda a nossa cadeia alimentar em perigo.






Todo mundo sabe que abelhas produzem mel, um dos alimentos mais nutritivos e gostosos que se pode encontrar, além de geleia real, cera e própolis. Mas pouca gente conhece outra função desses insetos, essencial para a vida na Terra. Em seu vai e vem cotidiano em busca de alimento, as abelhas são responsáveis por transportar o pólen das flores e com isso fecundam as plantas, espalhando vida por onde passam. 80% do meio ambiente vegetal são fecundados pelas abelhas.  Graças a elas, 20 mil espécies ameaçadas de extinção ainda resistem. E mais: quase metade da nossa alimentação depende exclusivamente do trabalho incessante das operárias, que chegam a percorrer 3 km a cada vez que deixam suas colmeias. Elas são cerca de 40 mil por colônia, em torno de uma única rainha ou, no máximo, duas. Enfatizando, abelhas não fazem apenas mel, elas são uma força de trabalho gigante e humilde, polinizando 90% das plantas que produzimos.
As abelhas são vitais para a vida na Terra – a cada ano elas polinizam plantas e plantações, mais de um terço da produção de alimentos em muitos países. Sem ações imediatas para salvar as abelhas, poderíamos acabar sem frutos, legumes, nozes, óleos e algodão. Nos últimos anos, temos visto um declínio acentuado e preocupante a nível global das populações de abelhas – algumas espécies de abelhas estão extintas e outras chegaram a 4% da população no passado.
CAÇA AOS INDÍCIOS 
Há 80 milhões de anos as abelhas cumprem diariamente a tarefa de polinizar plantas. Elas sobreviveram às mudanças climáticas e se adaptaram a quase todas as regiões do mundo. Isso até poucos anos atrás. Desde então, colônias inteiras começaram a desaparecer sem deixar vestígios - um mistério que os cientistas ainda tentam desvendar. Nenhum cadáver de abelha é encontrado e as colmeias parecem ter sido totalmente abandonadas pelas operárias. O fenômeno ocorre em várias regiões do mundo: da China aos Estados Unidos e Canadá, passando pela Europa e até na América Latina. De 30% a 80% das colônias simplesmente sumiram nos últimos dois anos. Diante do que pode se tornar uma catástrofe ambiental, especialistas deram uma de Sherlock Holmes e saíram à caça do maior número possível de informações para explicar as mortes suspeitas. Partindo de uma certeza: a de que as mudanças ambientais provocadas pela ação do homem estão envolvidas nisso.  Cientistas vêm lutando para obter respostas. Alguns estudos afirmam que o declínio pode ser devido a uma combinação de fatores, incluindo doenças, perda de habitat e utilização de produtos químicos tóxicos. Mencionam um tipo de agrotóxico que contribui para o extermínio das abelhas. Em quatro países Europeus que baniram estes produtos, a população de abelhas já está se recuperando. Não temos tempo a perder – o debate sobre o que fazer está esquentando. Não se trata apenas de salvar as abelhas, mas de uma questão de sobrevivência. Vamos gerar um zumbido global gigante para proibir estes produtos letais e salvar as nossas abelhas e os nossos alimentos.
PRODUTOS QUÍMICOS 
Os apicultores, criadores de abelhas, foram os primeiros a alertar para a mortalidade anormal dos insetos. Eles acusam agricultores de utilizar grandes quantidades de pesticidas, para proteger suas plantações. Os produtos químicos seriam, então, os assassinos. Mas cientistas também descobriram que as colônias estavam sendo atacadas por vírus e fungos, além de um parasita chamado Varroa destructor, uma espécie de ácaro, que tem o pouco simpático apelido de "vampiro de abelhas". Até agora, cada um defendia sua teoria, mas ninguém conseguia uma prova definitiva contra os suspeitos. Mas um importante estudo independente recente produziu evidências fortes culpando os agrotóxicos neonicotinóides. A França, Itália, Eslovênia, e até a Alemanha, sede do maior produtor do agrotóxico, a Bayer, baniram alguns destes produtos que matam abelhas. Porém continua a exportar o seu veneno para o mundo inteiro.
GANGUE DE PREDADORES
Cerca de dez mil cientistas e apicultores se reuniram na França para comparar suas teses. E chegaram à seguinte conclusão: todos os suspeitos têm culpa no cartório. As abelhas da espécie Apis mellifera estão sendo intoxicadas aos poucos pela forte concentração de pesticidas encontradas nas flores. Enfraquecidas, elas não conseguem mais se defender contra vírus, fungos e parasitas e perdem a luta contra os predadores com mais facilidade do que antes. Mas a alimentação das abelhas também contribui para sua fragilidade. Devido à agricultura intensiva, elas não encontram mais tantas variedades de flores pelo caminho. Seu organismo fica debilitado, assim como uma pessoa que só come macarrão ou abobrinha em todas as refeições de sua vida. Esses fatores se combinam de formas diferentes, de acordo com a região do mundo que se estuda, e o problema se agrava quando há escassez de água, devido à seca.
PLANTAR MAIS, DESTRUIR MENOS
Resta saber o que o homem vai fazer a partir de agora para tentar salvar a espécie. O grande físico Albert Einstein, pai da teoria da relatividade, teria afirmado, já nos anos 40, que a humanidade não resistiria caso as abelhas deixassem de existir. Sem transporte de pólen, nada de fecundação das plantas e sem plantas, não há como alimentar o mundo. Você sabia que em 2050 seremos mais de 9 bilhões de pessoas vivendo no mesmo planeta ? O desafio será então cultivar mais, destruindo menos o nosso meio ambiente.

PARA SABER MAIS ACESSE OS LINKS ABAIXO

Especísmo e ecocídio: o sumiço das abelhas, artigo de José Eustáquio Diniz Alves
Inseticidas Neonicotinoides: que são e como podem afetar você, por George Monbiot
Desordem de colapso das colônias (Colony Collapse Disorder, CCD) derruba exportações de mel do Brasil
El fenómeno global de la desaparición de las abejas, por Luis Miguel Ariza
Apicultores apontam agrotóxicos como culpados por mortes de abelhas
UE proibirá três inseticidas neonicotinoides mortais para as abelhas durante dois anos
Estudo mostra que pesticidas neonicotinoides e organofosfatos afetam o cérebro das abelhas
Estudo mostra que redução de insetos polinizadores ameaça cultivos do mundo
Pesticidas comuns diminuem sucesso de alimentação e ameaçam sobrevivência das abelhas
Publicação do Ibama aponta efeitos dos agrotóxicos sobre as abelhas silvestres no Brasil
Ibama reavalia uso de quatro tipos de agrotóxico e sua relação com o desaparecimento de abelhas no país
Contribuição dos agentes polinizadores para a biodiversidade e a agricultura
Inseticidas seriam responsáveis por morte em massa de abelhas, apontam estudos
agrotóxicos neonicotinóides: A Bayer continua matando abelhas em todo o planeta
As abelhas sumiram! Entrevista com Afonso Inácio Orth
Um mundo sem abelhas, artigo de Efraim Rodrigues
ONU alerta para a redução da população mundial de abelhas
Pesticidas exterminam as abelhas. Desaparecimento ameaça a produção agrícola do planeta
Abelhas do mundo em risco de morte
Pesquisadores alertam para danos de insumos químicos aos polinizadores
Diminuição dos enxames de abelhas preocupa cientistas e coloca o futuro da humanidade sob ameaça
Cai número de colônias de abelhas em toda a Europa, por Henrique Cortez
As abelhas estão sumindo, artigo de Hugo Penteado
Culturas geneticamente modificadas ligadas à desordem de colapso das colônias (CCD), por Henrique Cortez
A poluição atmosférica pode ser um dos responsáveis pelo colapso das populações de abelhas
Reino Unido: morte de 2 bilhões de abelhas custará £54 milhões em perdas na economia
Associação inglesa apela pela proibição de pesticidas neonicotinóides para evitar a morte de abelhas
Itália proibe agrotóxicos neonicotinóides associados à morte de abelhas
Valor econômico dos serviços dos insetos polinizadores é estimado em R$ 395 bilhões (153 bilhões de euros)
Agrotóxicos matam abelhas e envenenam nossa alimentação
Alemanha proíbe oito pesticidas neonicotinóides em razão da morte maciça de abelhas
Alemanha: Pesticidas da Bayer são acusados da morte em massa de abelhas
Morte de abelhas no Reino Unido ameaça a polinização de frutas e vegetais
IBAMA uso de agrotóxico e a relação com o desaparecimento das abelhas. CLIQUE AQUI 
Contribuição dos agentes polinizadores para a biodiversidade. CLIQUE AQUI
http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/planeta-urgente/sem-abelhas-sem-comida/
http://planetasustentavel.abril.com.br/noticias/servicos-polinizacao-representam-10-valor-producao-agricola-mundial-777918.shtml 





Fonte: http://vivoverde.com.br/planetasustentavel.abril.com.br/ http://www.anda.jor.br/ https://secure.avaaz.org

Um comentário:

Anônimo disse...

Gostei muito deste post sobre as abelhas. Não sabia q elas são tão importantes. Continue com este excelente trabalho, q aos poucos vc vai conseguir abrir os olhos do povo em prol da preservação.
PARABÉNS!!!!