Pesquisar no blog

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

COMO SE PREVENIR DAS FORMIGAS CORTADEIRAS

As formigas cortadeiras são apontadas como as principais pragas de ecossistemas agrícolas e florestais. Elas atacam as plantas em qualquer fase de desenvolvimento e são de difícil controle. Livre-se das saúvas sem riscos a saúde e ao meio ambiente.


As formigas do gênero Atta (Hymenoptera: Formicidae), vulgarmente conhecidas por saúvas, são muito nocivas à mangabeira. São insetos que vivem em ninhos subterrâneos, cortam plantas e transportam o material vegetal para o interior da colônia, que é utilizado como substrato para cultivo de um fungo, do qual se alimentam. As saúvas são facilmente identificadas pela presença de três pares de espinhos no dorso do tórax. Essas formigas são mais ativas à noite e nas horas de temperatura mais amena. Os danos causados pelas saúvas são facilmente reconhecidos pelo tipo de corte que elas fazem nas folhas, em formato de meia-lua ou arco, como pela desfolha completa da copa. 

MAIS DE 18 MIL ESPÉCIES – 2 MIL SÓ NO BRASIL
Estima-se que exista no mundo cerca de 18 mil espécies de formigas, mas aproximadamente 10 mil são conhecidas e catalogadas. No Brasil são 2 mil espécies, sendo 10 espécies denominadas saúvas do gênero Atta e 20 espécies do gênero Acromyrmex. No Mato Grosso do Sul, existem cinco espécies mais importantes economicamente: saúva cabeça de vidro (Atta laevigata), saúva mata pasto (Atta bisphaerica), saúva parda (Atta capiguara), saúva limão (Atta sexdens) e saúva da mata (Atta cephalotes).
Além das saúvas do gênero Atta, há também algumas espécies de quenquéns que causam prejuízo para a agricultura: quenquém de cisco (Acromyrmex crassispinus), quenquém de monte vermelha (Acromyrmex heyn), mineira preta (Acromyrmex lundi) e quenquém de monte preta (Acromyrmex lobicornis). Essas espécies não causam tantos danos, pois seus formigueiros são de poucas panelas e não ultrapassam dois metros de profundidade. É meia dúzia de panelas e 175 mil formigas. Mas quando a infestação for grande, deve-se ter atenção.

Alternativas Ecológicas para Prevenção 

MODELO 1

Um meio prático ecológico e duradouro que com um pouco de habilidade pode deixar as formigas cortadeiras (saúvas) bem distante das árvores e sua casa. 

Utensílios

  • Lona preta plástica
  • Tesoura
  • Fita adesiva dupla face
  • Alicate
  • Arame
Modo de fazer
  •  Meça o diâmetro do tronco da árvore onde será fixado o cone.
  • Corte um pedaço de lona plástica preta com mais ou menos 40 centímetros de largura  e com o comprimento 2 vezes o diâmetro do tronco onde será fixado.
  • Corte a lona plástica no formato da figura 1 sendo  a parte de cima a mais estreita, uma vez e meia o diâmetro do tronco.
  • Você deve antes, fazer um gabarito em uma folha de jornal e ir adequando a medida conforme a espessura do tronco. 
  • O importante é que, ao fixar a lona no tronco da árvore ela tenha pelo menos 30 cm de altura e a aba inferior não poderá tocar na árvore.
  • Depois de definido através do gabarito a medida ideal do come, fixar uma tira de fita dupla face conforme no desenho.
  • Retirar a proteção da fita para liberar o outro lado colante, com cuidado para não colar na lona, fixar o cone na árvore como na figura 2 e fechar o cone. É como se fosse colocar uma “saia feminina  na árvore”.
  • Se por acaso ficar alguma sobra da aba solta internamente no cone esta deverá ser fixada.
  • Importante, você deve escolher um local no tronco onde esteja mais liso possível para fixar o cone.
  • Com um arame, se possível “arame cosido”, envolver a parte superior do cone e fixar e amarrar  o mais apertado possível, conforme mostra a figura 2 .
  • O cone deve ficar a mais ou menos um metro e meio do solo e a parte mais larga do cone não deve nunca tocar no troco.

 Como funciona
  • Normalmente a  formiga cortadeira trabalha em grupo, um grupo sobe a árvore para cortar as folhas e o outro grupo recolhe as folhas no chão.
  • A formiga tem por hábito, quando encontra um obstáculo no seu caminho procurar outro caminho alternativo.
  • Ela sobe pela árvore, bate de frente com a parte fixada do cone no tronco que é um obstáculo, volta para buscar outra alternativa, não acha, volta a subir no tronco, bate no obstáculo.   
  • Sem encontrar uma forma de subir na árvore ela se dispersa e vai buscar outra árvore. 
  • É muito comum observar que, em certos momentos, nas proximidades do cone, formar  um “engarrafamento de formigas” buscando uma alternativa para subir na árvore.
Cuidados

  • A fixação do cone na árvore com o arame deve ser bem feita para não deixar nenhuma brecha para as formigas passarem.
  • As abas inferiores mais largas do cone, não podem tocar na árvore, pois caso aconteça elas sobem pela aba e continuam seu caminho.
MODELO 2

Existem vários tipos de limitadores para venda no mercado, no entanto a ideia é não comprar, mas sim reciclar. Veja dois exemplos de limitadores que improvisei. O primeiro feito com um balde velho que só precisei cortar o fundo e fazer um corte lateral para encaixe no tronco. O segundo feito com sobra de um cano de esgoto, também com um corte lateral. Depois pressione o limitador para baixo para fique 1 cm abaixo da terra, para que impeça que as formigas passem por baixo. Na sequência passe uma ou duas pinceladas de graxa na parte superior em toda sua volta. A graxa impedirá que as formigas passem. Não esqueça de passar graxa pelo menos a cada 15 dias, pois ela resseca. Nunca passe graxa diretamente no tronco, pois pode matar a planta. 


Referência
http://saudecurapelosalimentos.blogspot.com.br /  http://www.abraisca.org.br/  embrapa.br
Postar um comentário