Pesquisar no blog

quinta-feira, 29 de junho de 2017

QUANDO AS LAGARTAS FAZEM A FESTA !

A lagarta da couve é um inseto voraz, que adora comer não somente a folha que lhe dá nome, mas também brócolis e rúculas. De tão faminta, ela devora estas hortaliças até o talo, deixando na horta um rastro de destruição.



Quando as pequenas borboletas da couve aparecem, elas podem ser um sinal de que a primavera está chegando, mas essa espécie de borboleta nem sempre é bem-vinda nos canteiros de plantas. Esses insetos são uma das pragas mais comuns em plantações. A pequena borboleta da couve ataca os pés de couve e outras plantas da família da mostarda. Além disso, elas põem ovos nas couves que posteriormente eclodem, liberando lagartas que causam danos consideráveis à planta. Tome algumas medidas simples e de baixo custo para ajudar a combater esse tipo de praga.
Para saber se é ela que está causando o estrago na sua plantação, tente achar também uma borboletinha amarela, de tom bem pálido, beirando o verde e o branco. Esta última e a lagarta da couve são companheiras inseparáveis, pois na verdade, elas são fases diferentes de desenvolvimento do mesmo inseto, exatamente como acontece com outros tipos de lagartas. Se você achar uma borboleta destas na horta é porque tem lagarta da couve comendo suas folhas.


A maneira mais rápida de tirar estas invasoras do quintal é procurando pelos seus ovos, já que pode ser mais fácil do que recolher as larvas. No entanto, quando a horta é educativa, tudo faz parte da colheita, inclusive a presença delas. Como dizer às crianças que não queremos estas borboletas? Quem somos nós para evitar que a vida se manifeste e os passarinhos façam um banquete?
Caso você deseje manter algumas lagartas na horta, uma ideia é plantar uma maior quantidade de hortaliças. Outra sugestão é cultivar uma planta daninha, uma invasora conhecida popularmente como nabiça, cujo nome científico é Raphanus raphanistrum L. Ela também é apreciada pela lagarta, podendo ajudar a manter as couves, brócolis e rúculas  à salvo, deixando assim algumas plantas para serem sacrificadas.


Mas quando a produção do seu suco verde matinal estiver ameaçada, não hesite  em fazer uma boa colheita de lagartas e alimentar as galinhas, passarinhos ou mandá-las num passeio  sem retorno para a escola dos filhos, onde estes insetos serão recepcionadas com grande alegria, concretizando os estudos sobre a metamorfose.
Para evitar a superpopulação de lagartas na horta, também existem outros truques e remédios. por exemplo;
  • é o uso de uma simples casca de ovo. Colocada nos canteiros, de forma bem visível, funcionam como espantalhos para as borboletas, que ao verem os ovos evitam o ambiente, pois acreditam que as mesmas sejam de pássaros, predadores das lagartas.
  • Outra recomendação é pulverizar as hortaliças com chás repelentes, acrescidos de sumo de cebola, chá ou tintura alcóolica de alecrim, chá de fumo de corda e alho, ou então, pimenta malagueta agregada à solução de sabão. Isso pode ser feito uma vez a cada 15 dias.
  • Plante o cravo-de-defunto (Tagetes patula) ou as margaridas (Calendula officinalis) entre os pés de couve. Plante-as com um espaçamento de pelo menos 45 cm de distância das couves, para dar espaço para ambas as plantas crescerem. 
  • Plante o endro ou a sálvia próximos aos pés de couve. O endro deve ficar a pelo menos 45 cm de distância das couves e a sálvia a 60 cm, para deixar espaço para a planta crescer. Deixe o endro dar flores, porque elas atraem as vespas que se alimentam das lagartas da couve. 
  • Corte tiras de sacolas plásticas brancas medindo aproximadamente entre 5 e 7,5 cm de comprimento e com 2,5 a 5 cm de largura. Amarre-as na ponta de varetas de bambu, de plástico ou de outro material em forma de uma gravata-borboleta. Depois finque as varetas em torno das couves para que as sacolas brancas fiquem com uma aparência semelhante às pequenas borboletas da couve. Essa técnica pode ajudar a espantar as borboletas de verdade. 
  • Cubra toda a plantação de couve com uma tela de sombreamento branca totalmente à prova de insetos. Feche todas a extremidades da tela com terra ou com objetos pesados, como tijolos ou tubos de metal, para evitar que as borboletas entrem.
  • Já quando a infestação estiver na fase larval, a catação manual é a melhor maneira de controlá-las. Taturanas e mandorovás são insetos na sua fase larval. A presença de borboletas e mariposas dão a dica dos lugares onde elas se escondem e seus ovos e se desenvolvem.
Muitas vezes, o aparecimento destes insetos se dá pela falta de equilíbrio entre seus predadores naturais, como aranhas, pássaros, répteis, sapos e mamíferos, marsupiais, morcegos, primatas e ainda, pela perda do seu habitat (lugar de origem). Se não há quem as ataque, as lagartas se tornam pragas.
Para reestabelecer o equilíbrio, o estudo de seus hábitos é imprescindível para ajudar na manutenção da rede de predadores naturais, no entanto com as mudanças climáticas, não estamos à salvo destas formas de desequilíbrio. Estudar os pássaros, preservá-los e atraí-los para o seu jardim pode ajudar a entender a sazonalidade destes insetos, que servem de fonte proteica para as aves que migram longas distâncias. As Joaninhas são ótimos predadores naturais para purgão.

O importante é manter o espírito curioso, observar e estudar cada manifestação de vida do jardim e tomar medidas preventivas  para defender sua  colheita.  Você já pensou em escrever e desenhar um diário do seu jardim? Tenho certeza que, ao final de um ano, registrando a presença de cada visitante, você terá aprendido a relação que existe entre insetos, flores, frutos e folhas. Ensine seu filho a ter espírito cientista com a observação e experimentação.
Postar um comentário