Pesquisar no blog

sábado, 24 de junho de 2017

ARENIZAÇÃO

Arenização, ou formação de bancos de areia, é o processo de retirada de cobertura vegetal em solos arenosos, em regiões de clima úmido, com regime de chuvas constantes, como o sudoeste do Rio Grande do Sul . Esse fenômeno não deve ser confundido com a desertificação, que ocorre em clima árido, semiárido e semi-úmido e assemelha-se a uma seca prolongada e intensa.




A arenização consiste no processo de formação de bancos de areia no solo, em um fenômeno equivalente à desertificação, diferenciando-se desta por manifestar-se em áreas de clima úmido e relativamente chuvoso, além de ser comum em solos de composição previamente arenosa.


O processo de arenização é considerado um problema de ordem ambiental e também sócioespacial, pois é responsável pela devastação de áreas de conservação e por tornar os solos voltados para a agropecuária inférteis. Com isso, suas causas e efeitos necessitam de exato e eficiente diagnóstico com vistas a evitar o seu prolongamento para outras áreas.
As principais causas da arenização dos solos são de origem antrópica, como a retirada da cobertura vegetal e atuação intensiva da agricultura ou pecuária em locais de solos com composição arenosa. Com isso, há um empobrecimento da camada superficial e uma maior exposição à lavagem causada pelo escoamento da água das chuvas (lixiviação), provocando o acúmulo de sedimentos em forma de areais.
Desse modo, para conter o avanço do processo de arenização, é preciso identificar as áreas cujos solos apresentam uma predisposição para essa ocorrência e fazer o uso comedido deles, tomando medidas para conter a erosão laminar. Essas medidas incluem a preservação da vegetação e a adoção de técnicas de cultivo especificamente voltadas para esse intuito, a exemplo das curvas de nível.
A maior parte dos sedimentos responsáveis pelo acúmulo e formação dos areais que tornam os solos improdutivos advém de áreas um pouco mais altas, o que explica o fato de a arenização ser mais comum em regiões que registram a existência de desníveis nas formas de relevo. Além da água das chuvas, outro importante agente responsável pela arenização são os ventos, que também auxiliam no processo de erosão e envolvem o desgaste, o transporte e a deposição sedimentar.


Existe uma substancial diferença entre arenização e desertificação, cujos méritos de conceituação são atribuídos à geógrafa pesquisadora brasileira Dirce Maria Antunes Suertegaray. Em seu estudo sobre o processo então considerado como desertificação no Rio Grande do Sul, ela diagnosticou que a dinâmica do fenômeno em questão diferenciava-se por ocorrer a partir da ação da água e dos ventos, enquanto na desertificação o problema era resultado do esgotamento do solo e da evaporação acentuada.
Por isso, a diferença entre arenização e desertificação está no fato de essa última manifestar-se em áreas de clima árido, semiárido e subúmido, onde as médias pluviométricas anuais não costumam ultrapassar os 1400mm e a evaporação é superior ao acúmulo de água no solo. Na arenização é o inverso, pois a precipitação da água é maior do que a evaporação e o problema ocorre justamente pela sedimentação causada pela ação da água e dos ventos, com a deposição de sedimentos em forma de areia sobre o solo.
No Brasil, a arenização é oficialmente registrada na região Sul do país, ao passo que a desertificação ocorre, em maior grau, na região Nordeste, que apresenta um clima mais seco em boa parte de sua área.
  • Relevo : A arenização tem estreita relação com a geologia local e ocorre, necessariamente, em terrenos com desníveis, com partes altas e baixas.
  • Chuvas e vento : Temporais e ventos fortes retiram restos de vegetação e sedimentos do solo das áreas mais altas, depositando-os nas partes baixas do terreno. 
  • Ação humana : O desmatamento e o uso inadequado do solo potencializam o depósito de sedimentos, dificultando o crescimento de nova vegetação na área.
  • Consequência : Sem novas plantas, o terreno empobrece. Sua arenosidade natural é reforçada pelo acúmulo de sedimentos, o que forma os bancos de areia.
Postar um comentário