Pesquisar no blog

sexta-feira, 19 de junho de 2015

LIVRO NEGRO - LIBÉLULAS! BELAS, MAS ASSASSINAS BRUTAIS



Insetos são geralmente criaturas nojentas das quais muitas vezes temos medo, mas alguns escapam do estereótipo. Ah! As libélulas, estão entre os incríveis animais que cativam e até ganham nosso amor, bonitas, coloridas e inofensivas não as associamos com coisas medonhas. Para o alto, e avante!





No entanto, a libélula já teve a chance de crescer a cerca de um metro de comprimento no passado, ou seja, não tão inofensiva assim. Na verdade, se a Meganeura, ou libélula gigante da pré-história, ainda estivesse viva, poderia estar no comando do planeta em vez de seres humanos. Isso porque as libélulas são alguns dos assassinos mais brutais do mundo dos insetos. As libélulas não têm a capacidade de picar, visto que as suas mandíbulas estão adaptadas à mastigação. Dentro do seu ecossistema, são bastante úteis no controlo das populações de mosquitos e das suas outras presas, prestando assim um serviço importante ao Homem.



É conhecida por vários nomes populares
Como cavalinho-de-judeu, cavalinho-do-diabo, donzelinha, jacina, jacinta, lava-bunda, lavadeira, odonata, macaquinho-de-bambá, pito, ziguezigue, canzil, entre muitos outros. Seu nome, no entanto, vem do latim libellulus, diminutivo da palavra liber, que significa "livro", por causa das semelhanças de suas asas com um livro aberto. No mundo, existem cerca de 5 mil espécies de libélulas. Medem de 2 a 19 centímetros.

Ótimos bioindicadores
Exigentes, não habitam águas com alteração química ou sinal de poluição. A larva da libélula é aquática. As mais jovens, chamadas náiades, vivem escondidas entre a vegetação das margens de rios e lagos ou sobre pedras. Mudam de pele frequentemente, durante um período que varia de um a cinco anos, até tornarem-se adultas e aladas.

Seus olhos são incrivelmente avançados 
Elas podem ver em todas as direções. A maioria dos insetos tem olhos multifacetados. Moscas domésticas, por exemplo, têm cerca de 6.000 facetas que lhes dão uma vista panorâmica de seus arredores. É a razão pela qual os seus olhos parecem favos de perto. Mas, com 30.000 facetas individuais, que permitem uma visão de 360º do ambiente. libélulas ganham de qualquer outro inseto. Cada faceta, ou omatídeo, cria a sua própria imagem, e o cérebro da libélula tem oito pares de neurônios visuais para compilar essas milhares de imagens em uma figura. Libélulas têm sentidos visuais que seriam considerados superpotências para qualquer ser humano normal. Os olhos humanos têm três proteínas (opsinas) que sentem a luz e nos dão uma gama de cores de vermelho, verde e azul. Libélulas podem ter quatro ou cinco opsinas, o que lhes permite perceber o espectro de cor normal, juntamente com a luz UV e o plano de polarização da luz (efeito obtido com óculos polarizados). Isso provavelmente as ajuda a navegar e reduzir o brilho do sol em um corpo de água.

Elas calculam a velocidade para matar suas presas
Alimentam-se de outros insetos voadores e podem, em um só dia, comer o equivalente a 14% do seu peso. A dinâmica de capturar um objeto no ar é espantosamente complexa, tanto que normalmente apenas animais com sistemas nervosos complexos, como gaivotas ou seres humanos, conseguem fazer isso. Para interceptar algo se movendo a uma velocidade própria, você tem que ser capaz de prever onde esse “algo” estará no futuro. Quando os pesquisadores começaram a estudar libélulas em 1999, eles descobriram que, em vez de “rastrear” sua presa, elas a seguiam no ar até que se encontravam com a pobre coitada, interceptando-a. Em outras palavras, libélulas garantem uma caça voando para onde a presa também está voando. Isso indica que elas calculam três coisas durante uma caçada: a distância de suas presas, a direção que elas estão se movendo, e a velocidade com que estão voando. No espaço de milissegundos, a libélula calcula o ângulo de abordagem e, como um monstro de filme de terror, já está esperando quando a presa infeliz passa por ela.

Voo 
Batem suas asas 50 vezes por segundo, e voam de 5 a 6 horas todos os dias. As espécies mais rápidas podem voar a até 80 quilômetros por hora, o que faz da libélula o mais veloz dos insetos. Uma das características mais marcantes das libélulas é a maneira como suas asas funcionam. Suas quatro asas trabalham independentemente umas das outras, permitindo-lhes manobrar no ar como um helicóptero: elas podem pairar, voar para a frente, para trás, para os lados, mudar de direção instantaneamente e até voar de cabeça para baixo, se precisarem. Com a exceção de libelinhas (que pertencem à mesma ordem), libélulas são os únicos insetos com essa quantidade de controle sobre suas asas. Delicada e poderosa, cada asa está ligada ao tórax e a um grupo muscular separado. Usando mudanças minúsculas e ajustes em cada asa, a libélula pode mirar perfeitamente, colocando-se diretamente no caminho da presa. E, uma vez que a pega, não mostra misericórdia.

Fora da água, as libélulas têm somente dois meses de vida
Isso corresponde, para algumas espécies, a somente 10% de seu tempo total. Por isso, elas têm muita pressa para se acasalar. Os ovos são colocados na água, onde a libélula vive um longo ciclo de 17 metamorfoses. Em algumas espécies, esse ciclo pode durar até cinco anos até que, finalmente, ela voe. A última metamorfose de uma libélula leva de 30 a 40 minutos. Ela rompe seu exoesqueleto pelo dorso e libera a cabeça e o abdome. As asas demoram de duas a três horas para ficarem sólidas e secas.

Ciclo de vida
A ninfa é aquática: Quando os ovos eclodem libélula, o ciclo de vida da larva começa como uma ninfa (uma libélula adolescente, feia). A ninfa se parece com uma pequena criatura alienígena (veja a foto). Elas não tem asas e vivem na água durante muito tempo passando por vários estágios de desenvolimento. Este estágio de vida pode durar cinco anos para ser concluída. Até lá, as ninfas devoram tudo que é animalzinho que verem pela frente: larvas de peixe, girinos, larvas de mosquitos e por aí vai…

A chegada da forma adulta: Assim que a ninfa está totalmente desenvolvida, chega o momento de sair da água para a metamorfose. Para isto, ela rasteja e escala o caule de uma planta ali perto da água. A ninfa adere seu exoesqueleto no caule por onde fica até que o adulto resolva emergir. Neste tempo ela se mantém muito quieta, não come e não se mexe.

Saída difícil: O jovem resolve deixar aquele corpo de alienígena, ele “quebra” a casquinha e vai deixando o corpo antigo para trás. É um momento fabuloso. A pele que a ninfa deixa para trás é chamado de exúvia e não é muito difícil encontrar essa casquinha ainda preso ao caule, perto de um local de água doce.

A secagem: Quando a libélula deixa a exúvia, ela ainda se mantém ali esperando que o contato com o ambiente se ocupe em secar suas asas. Logo que estão prontas, ela já sai a procura de alimento e de um companheiro. Uma vez que a libélula encontra um companheiro o ciclo recomeça. Os adultos de vivem somente cerca de dois meses.

Quando acasalam, as libélulas formam um coração 
O macho precisa abastecer seu pênis, localizado no segundo segmento de seu abdome, com espermatozoides, que são produzidos no nono. Preparado, ele segura a cabeça da fêmea com uma espécie de pinça e ela contorce seu corpo para que seu órgão genital, localizado no segundo segmento de seu corpo, se encontre com o pênis. O resultado desse contorcionismo todo é um coração. A maioria das espécies animais passa por algum tipo de ritual de acasalamento que envolve o cortejo. Mas as libélulas não têm muito tempo. Então, os machos forçosamente acasalam com a primeira fêmea com que se deparam. Depois de localizar uma fêmea por seus padrões de voo para se certificar de que ela é a espécie certa, o macho se aproxima por trás, prende seus antebraços em volta de seu pescoço, pode até mesmo mordê-la para subjugá-la, e por fim inicia a transferência de espermatozoides. Os machos alojam esperma em um segmento no final de seus corpos, mesmo que seus pênis estejam em uma posição superior. Assim, uma vez que estão na posição correta, começam a transferência, mas não ficam ociosos enquanto fazem isso. Libélulas fêmeas costumam acasalar com múltiplos parceiros, e, por uma estranha peculiaridade evolutiva, libélulas desenvolveram farpas em seus pênis que servem a nenhum outro propósito além de retirar o sêmen posto em uma fêmea por um pretendente anterior. Em alguns casos, o macho vai continuar a proteger a fêmea até que seus ovos sejam fertilizados, impedindo-a de ser forçadamente acasalada com quaisquer outros machos, para aumentar suas chances de paternidade.

Até mesmo os bebês caçam
Libélulas ninfas são ainda mais sangue-frio do que suas contrapartes adultas quando se trata de assassinato. Como muitos insetos, libélulas começam a vida em um estágio larval. Larvas de libélula, ou ninfas, vivem debaixo d’água, movendo-se graças a um jato disparado de seu reto, como minúsculos torpedos. Algumas libélulas vivem assim por até cinco anos antes de passar um período relativamente curto de seis ou sete meses como adultas. Durante a sua vida pela água, elas caçam pequenos insetos e outras larvas que encontram no caminho. Mas, em muitas espécies, a dieta não para por aí – algumas ninfas comem até girinos e barrigudinhos, usando movimentos bruscos e suas mandíbulas poderosas.

Elas esmagam suas presas
Libélulas pertencem à ordem Odonata. Em grego, isso significa “os dentados”, o que é até apropriado, já que libélulas amassam suas presas com poderosas mandíbulas serrilhadas. A maioria das pequenas libélulas não é poderosa o suficiente para machucar a pele de um ser humano (mas as maiores podem, e vão). Já para uma pequena mosca, no entanto, essas garras significam morte instantânea. Libélulas fazem duas coisas quando interceptam suas presas: primeiro, curvam as pernas da frente para prendê-las, impedindo sua fuga, depois usam suas mandíbulas articuladas para destruir as asas da mosca, imobilizando-a, de forma que podem comer livremente a presa, sem qualquer chance de perdê-la. Suas mandíbulas podem abrir tanto quanto o tamanho de toda a sua cabeça, o que lhes permite comer praticamente qualquer coisa. Muitas vezes, elas consomem sua comida no ar.

Simbolismo da libélula no Budismo
No Vietnã, tradicionalmente, a libélula é o símbolo da transformação e o processo constante de mudança da vida. Elas são excelentes voadoras, disparam como a luz e mudam de direção com rapidez. Considerada uma mensageira, ela transita entre ar e água, transpassando as influências de ambos os elementos por onde passa. Renovação, forças positivas e o poder da vida são as principais representações deste inseto. Ao tocar leve e rapidamente a água, elas sugerem que nossos pensamentos mais profundos emergem, vêm à tona e que é preciso ir além da superfície e buscar as decorrências mais profundas dos aspectos da vida. A sua agilidade e capacidade de se mover em todas as direções demonstram um poder de equilíbrio – o que só acontece na vida adulta da libélula, e para nós, com a maturidade. Ela se movimenta pra frente, pra trás, paira, pra cima, pra baixo, para os lados, como o sopro da mente. A vida é um sopro. Dizem que as libélulas só vivem poucos dias, mas não é verdade, e se ela viveu um dia só, foi na sua vida adulta.
A libélula vive a grande parte de sua vida como uma criança, imatura. Voar é apenas uma fração da sua vida e dura apenas alguns meses. Ao alçar voo, ela já é adulta e o faz intensamente. Ela não tem tempo pra perder e nos lembra do poder do viver o momento e viver a vida ao máximo. Ela nos lembra que é vivendo o agora que você está em plena consciência de quem é, onde está, o que faz, o que quer e o que não quer. Elas simbolizam coragem, força e felicidade. Sorte a sua se um pousar em você. Os Vietnamitas preveem as chuvas pela maneira como as libélulas voam – voos baixos significam chuva chegando, voos altos significam dias de sol.
Já no Laos a libélula representa três valores do Budismo Teravada:
  • desapego (do stress)
  • humildade (com seu entorno)
  • efemeridade (do momento)
Então vamos viver com estes princípios, com vivacidade e sem arrependimentos, como uma libélula adulta.


Referências
http://www.guiadoscuriosos.com.br/ http://escapismogenuino.com/
http://hypescience.com/http://diariodebiologia.com/

Nenhum comentário: