Pesquisar no blog

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

ILHAS DE CALOR – Ebulição das cidades.

Novos estudos já dão como certo o aumento das temperaturas em todo o planeta. E quem mais vai sofrer são os centros urbanos, onde há muito asfalto, concreto e veículos que contribuem para o efeito estufa. Embora a previsão do clima seja assustadora, ainda dá tempo de amenizar essa realidade.


A perda da vegetação nativa para o desenvolvimento das cidades, por meio da transformação da paisagem por ações antrópicas, pode causar mudanças climáticas abruptas, afetando o meio ambiente e a qualidade de vida das pessoas. As cidades mal planejadas sofrem graves problemas com o fenômeno denominado ‘ilha de calor’, que ocorre em locais com excessiva quantidade de construções e baixa concentração de áreas verdes, onde a temperatura é mais elevada do que nas áreas vizinhas não urbanizadas. A ilha de calor urbana ocorre quando uma área metropolitana tem temperaturas significativamente mais elevadas do que as áreas rurais que a rodeiam. É um exemplo de uma modificação climática em virtude do crescimento da urbanização, que muda as características da superfície e a temperatura da Terra. A superfície urbana apresenta particularidades em relação à capacidade térmica e à densidade dos materiais utilizados (asfalto, concreto, telhas, solo exposto, presença de vegetação nos parques, ruas, avenidas...), às alterações do Albedo (refletância de onda curta solar), à impermeabilização da superfície, etc. A configuração da ilha de calor está relacionada também ao aumento da temperatura, à queda da umidade relativa do ar, aos desvios de trajetória do vento com mudanças na sua velocidade e a modificações no padrão de distribuição das chuvas. Além disso, a ausência de vegetação contribui para a formação de ilhas de calor urbanas, porque deixa de fornecer dois mecanismos de resfriamento importantes: sombra e evapotranspiração.
O efeito da ilha de calor urbana tem implicações negativas graves para o meio ambiente. Quando as árvores são removidas e substituídas pela infraestrutura urbana, o sequestro de CO2 é reduzido e em alguns casos é completamente inexistente, devido à ausência das plantas. Vale ressaltar que o aumento dos níveis de COcausado pela falta de sequestro, bem como o aumento das emissões provenientes das áreas urbanas, aceleram o aquecimento mundial, gerando uma enorme ameaça para a sustentabilidade em todo o planeta. Essas ilhas de calor podem trazer consequências negativas:
  • Desconforto humano e riscos para a saúde.
  • Aumento no uso de energia, levando à liberação de mais gases de efeito estufa, à poluição do ar e ao aumento dos níveis de ozônio urbano.
  • Custos mais elevados por causa do maior uso de água e energia.
HÁ SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA
É visível a necessidade de ações radicais para tentar minimizar as consequências das ilhas de calor urbanas. Uma delas é a mudança na composição das coberturas e pavimentos para uma cor mais clara. Por exemplo, telhados brancos e pavimentos de concreto colorido têm se mostrado eficazes para reduzir significativamente a temperatura nas cidades com poucos percentuais de vegetação. Outra solução eficiente é aumentar a quantidade de vegetação nos centros urbanos. Isso pode ser conseguido através da plantação de árvores adequadas para aumentar o valor de sombra. Muitos trabalhos apontam o uso da vegetação arbórea como fator amenizador dos problemas climáticos que ocorrem nas cidades, contemplando a criação de parques, bosques e arborização de ruas. Essas são as medidas mais eficientes para promover mudanças, principalmente no microclima urbano. Outra alternativa é a instalação de telhados verdes no topo de edifícios da cidade. Essa solução não tem nada a ver com a cor. o ‘telhado verde’ é, simplesmente, um telhado que inclui plantas e vegetação. Ele não só impede o telhado do edifício de absorver calor, como também resfria o ar em torno dele. Vale ressaltar que a manutenção das áreas verdes urbanas sempre foi justificada pelo seu potencial em propiciar qualidade ambiental à população. Ela interfere diretamente na qualidade de vida dos seres por meio das funções sociais, ecológicas, estéticas e educativas que elas exercem para mitigar as consequências negativas da urbanização.

Soluções Objetivos
Reduzir as áreas pavimentadas   - Permitirá o aumento do processo de evaporação e evapotranspiração urbana
Aumento das áreas verdes na cidade   - A vegetação diminui os índices de calor e ajuda na manutenção da umidade do ar
Evitar a construção de prédios muito altos e muito próximos uns dos outros   -  Isso vai ajudar o deslocamento do ar quente para outras áreas da região e diminuir o grau do ‘cânion urbano’
Substituir as calçadas concretizadas   - As calçadas sextavadas ou de montagem proporcionam uma melhor absorção da água das chuvas
Diminuir a circulação de veículos automotores movidos a combustíveis fósseis


PARA SABER MAIS CLIQUE AQUI  



fonte:  ecodebate.com.br/ geografia.seed.pr.gov.br
    -  A queima contribui para o aumento da poluição e do    efeito estufa, que impede a dissipação do calor no período noturno



AQUI






Nenhum comentário: