Pesquisar no blog

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

MEDIDAS QUE PRESERVAM NASCENTES E MANANCIAIS


A água é condição essencial para a existência de vida, até mesmo nos ambientes mais secos. É responsabilidade de todos, de cada um de nós, cuidar deste patrimônio.







Ela é  tão  importante  que  o  direito  à  água  entrou  na  Declaração  dos  Direitos  Humanos,  no art. 30, como um dos direitos fundamentais do ser humano. Além disso, garante autossuficiência econômica da propriedade rural.
Nas ultimas décadas, os desmatamentos das encostas e das matas ciliares vêm contribuindo para a diminuição da quantidade e qualidade da água das nascentes. Ao produtor rural cabe a tarefa de preservar as nascentes de sua propriedade em seu benefício e de toda sociedade.  

O que é uma nascente?
Nascente é um ponto de onde a água jorra através da superfície do solo. Também é conhecida como olho d’água, fio d’água, mina d’água, cabeceira e fonte.

De onde vem a água das nascentes?
Para entender de onde vem essa água, primeiro é preciso saber que a água existente no planeta não aumenta nem diminui. Ela se movimenta em ciclos, modificando seu estado. Este caminho percorrido é chamado de ciclo hidrológico. A água evaporada do solo, dos mares, dos lagos e rios e a transpirada pelo planeta por ação do calor e do vento, se transformam em nuvem. Essas nuvens dão origem à precipitação, popularmente conhecida como chuva. Uma parte dessa chuva infiltra no solo, outra escorre sobre a terra retornando para os lagos, rios e mares. A água da chuva que se infiltra no solo abastece o lençol freático que se acumula em função de estar sobre uma camada impermeável.
Quando a camada impermeável encontra com a superfície do solo surge a nascente de encosta. Esse tipo de nascente ocorre principalmente nas encostas, serras e grotas de regiões montanhosas. Nas partes mais baixas do terreno ocorre o armazenamento da água infiltrada, o que faz que o nível do lençol freático suba até a superfície provocando o encharcamento do solo. Este encharcamento propicia o surgimento de um grande número de pequenas nascentes espalhadas por todo o terreno, as quais são conhecidas como difusas e ocorrem principalmente nos brejos e matas localizadas nas partes baixas do terreno.  

As nascentes estão desaparecendo porque chove menos atualmente?
As nascentes estão desaparecendo não pela falta de chuvas, mas sim pelo desmatamento das encostas e matas ciliares, pela impermeabilização do solo, principalmente nas áreas urbanas, e pelo uso inadequado do solo nas áreas rurais.

O que diz a lei? 
Não pode ser feito qualquer tipo de uso como desmatamento, plantio de culturas ou pastagens, descarte de lixo e mineração nos locais abaixo:
  • No entorno das nascentes – a uma distância mínima de 50 metros;
  • Nas margens dos rios, córregos e lagos, em extensões que variam com a largura do curso de água ou lago;
  • Nos topos de morro, montes, montanhas e serras;
  • Em áreas com grande desnível (declividade acima de 45°). 
  • Estas áreas são Áreas de Preservação Permanente. 


O que fazer para evitar a falta d’água nas propriedades rurais?
Para garantir a quantidade e qualidade da água das nascentes devemos manter a vegetação natural no entorno delas, nos cursos d’água e encostas e tomar alguns cuidados no uso e preparo do solo pra diminuir a velocidade das enxurradas e aumentara infiltração da água no solo que abastece as nascentes. 

Conservação do Solo
Os principais cuidados a serem seguidos são: 
  • No preparo do solo, a realização de aração e gradagem na mesma área por vários anos, provoca seu endurecimento logo abaixo da camada arável, provocando a diminuição da infiltração da água e o aumento da enxurrada que carrega uma grande quantidade de nutrientes para os córregos, rios e nascentes e diminui o volume de água no lençol freático. 
Você sabia que você perde por hectare: 
    •  60 toneladas de terra plantando do jeito tradicional (grade pesada + 2 gradagens com queima de palhada);
    •  20 toneladas de terra por hectare plantado do jeito tradicional (aração + 2 gradagens sem queima de palhada);
    • 6 toneladas de terra fazendo o plantio direto na palha (sem revolvimento do solo).
  • Fazer plantio em contorno ou em nível.  Neste tipo de plantio, cada linha de plantas forma uma barreira diminuindo a velocidade da enxurrada.
  • Fazer plantio em consórcio, intercalando faixas com plantas de crescimento denso com outras de plantas que oferecem menos proteção ao solo. A primeira tem a função de amortecer a velocidade das águas da enxurrada permitindo uma maior infiltração.
  • Construir terraços: O terraço é uma estrutura formada por um canal e um camalhão, e deve ser construído em nível em áreas onde outras práticas de conservação do solo não são capazes de controlar a erosão. Sua função é captar águas que caem na área de cultivo e conter as enxurradas, permitindo a infiltração da água no solo e consequentemente o abastecimento do lençol freático.
  • Fazer o plantio de cordões de vegetação permanente. As plantas dos cordões devem estar em nível e adensadas, ocupando uma faixa de 1,5 a 2 metros de largura. Nestes cordões podem-se usar árvores, bananeira, cana, capim, cidreira, entre outras plantas que possam desempenhar a função de retenção da enxurrada. 
Você sabia que: 
    • Plantando no sentido morro abaixo você perde 36 toneladas de terra por hectare;
    • Plantando em contorno você perde 12 toneladas de terra por hectare;
    • Plantando com cordões de cana você perde 2.5 toneladas de terra por hectare. 
  • Utilizar a adubação verde, que se faz pelo cultivo de leguminosas entre os plantios comercias, para, mais tarde, incorpora-las ao solo como adubo. 
  • Fazer uso dos restos culturais (palhada). Esse material, também chamado de matéria orgânica, quando se decompõe, favorece os organismos que vivem na terra, melhorando as condições de infiltração e armazenamento de água no solo, além de diminuir o impacto das gotas de chuva sobre a superfície.   
  • Evitar queimadas: as queimadas causam sérios danos às florestas e outros tipos de vegetação deixando o solo descoberto e matando a vida aí presente. Este solo sem proteção da cobertura vegetal pode endurecer pela ação das gotas de chuva, o que irá reduzir a velocidade e quantidade de infiltração da água, alem de favorecer as enxurradas.
  • Evitar colocar muitos bois na área de uma só vez, porque a caminhada constante do gado provoca o endurecimento da terra dificultando a infiltração da água da chuva no terreno. Além desse problema, o excesso de pastejo diminui a altura da pastagem, deixando varias falhas. Essas falhas favorecem a destruição do solo pela chuva e pelo vento, o que irá dificultar a infiltração de água que abastece os lençóis que formam as nascentes. 
  • Evitar o uso conflitante da terra na área de recarga das nascentes (área que vai da nascente até o topo do morro) plantando vegetação nativa ou deixando a regeneração natural nas encostas e usando as áreas com 20% a 45% de declividade com culturas perenes como café, laranjeira e bananeira.  
Você sabia que: 
    • Cultivando o feijão você perde 38 toneladas de terra por hectare;
    • Cultivando o milho você perde 12 toneladas de terra por hectare;
    • Cultivando o milho intercalado como o feijão você perde 10 toneladas de terra por hectare. 
Não basta água em quantidade, é preciso que haja qualidade.
A sombra das árvores diminui a temperatura local, mantendo o solo úmido por mais tempo, depois de uma chuva, e retardando a evaporação da água. Com isso, mais água se infiltra no solo, alimentando a nascente. Além disso, as árvores protegem da erosão, evitando que a terra deslize e a nascente seja soterrada. A vegetação contribui também para manter a boa qualidade da água, funcionado como um filtro de poluentes que estejam presentes no solo.  É possível evitar a contaminação de água das nascentes, realizando práticas simples como: 
  • Não construir currais, chiqueiros, galinheiros e fossas sépticas nas proximidades e acima das nascentes;
  • Não desmatar no entorno das nascentes;
  • Não jogar lixo no entorno das nascentes;
  • Cercar em torno das nascentes, no mínimo 50 metros a partir do olho d’água, evitando a entrada de animais e contaminação da água com estrume;
  • Utilizar adubos e agrotóxicos só quando necessário e em quantidade recomendada;
  • Não usar adubos e agrotóxicos em áreas de várzea e próximas às nascentes e rios.
Passos para recuperar sua nascente: 

a) Cercamento de Nascentes
Construção de cercas, fechando a área da nascente, num raio de 30 a 50 metros a partir do olho d’água: evita a entrada dos animais e por conseguinte o pisoteio e compactação do solo. Manutenção do asseio, ou seja a limpeza em volta da cerca para evitar que o fogo, em caso de incêndio, atinja a área de nascente.
Observar se há formação de capoeira (regeneração natural) com plantas como alecrim, carrapicho, jaborandi, lobeira, assa-peixe, embaúba, pinha do brejo, pombeiro, aroeira, sangra d’água, pororoca, maria-mole etc. Se esta for a situação de sua nascente, você só precisa cercar, mantendo uma distancia mínima de 50 metros ao redor dela.  Se o entorno de sua nascente estiver ocupado com pasto e poucos arbustos, alem de cercar sua nascente é preciso plantar algumas árvores, escolhendo bem as espécies, a quantidade e distribuição.  

b) Enriquecimento da Vegetação
A vegetação em torno das nascentes funciona como barreira viva na contenção da água proveniente das enxurradas.Deve-se priorizar espécies nativas da região que geralmente são divididas em pioneiras e clímax. A mata ciliar não deve ser plantada em cima da nascente. Deve-se respeitar um espaço mínimo de 30 metros de distância. A renovação da vegetação junto à nascente deve acontecer de maneira natural. O plantio de muitas árvores próximo a nascente pode secá-la por algum tempo. Dentro da área cercada recomenda-se plantar cerca de 30 a 100 árvores, dependendo do potencial de regeneração e do ecossistema local, sempre com espécies nativas da área. Nesta quantidade, essas árvores irão atrair pássaros e outros animais que trarão novas sementes que irão reflorestar a área aos poucos, além de aumentar a infiltração da água da chuva no solo e segurar a terra arrastada pela enxurrada, impedindo o soterramento da nascente.  As árvores devem ser bem distribuídas na área, tomando-se o cuidado para alternar plantas pioneiras, que crescem mais rápido, com plantas clímax, que crescem mais devagar, porém vivem mais. A escolha das espécies para a recuperação e conservação das nascentes deve ser em função da umidade do solo, que é muito variável no entorno das nascentes. Por isso, antes da escolha das espécies, você deve dividir a área a ser florestada em três partes, localizando as seguintes situações: 
  1. Áreas encharcadas: representam as áreas brejosas ou pantanosas que se encontram próximas ao curso d’água;
  2. Áreas úmidas: representam as áreas localizadas entre as áreas encharcadas e as áreas bem drenadas;
  3. Áreas bem drenadas: São as áreas menos úmidas dentro da área a ser reflorestada.
c) Uso de Defensivos
O uso excessivo e descontrolado de defensivos agrícolas nas lavouras são grandes agentes de contaminação do solo e da água, principalmente do lençol freático. Por isso seu uso dever ser controlado e feito sob a orientação de um técnico responsável. Deve-se construir locais apropriados para o descarte das embalagens, que jamais devem ser jogadas em rios e córregos ou junto ao lixo comum da fazenda.

d) Outras Medidas
  • Construção de fossas assépticas nas residências rurais, evitando o lançamento de esgotos nas águas da propriedade.
  • Construção de fossas para os rejeitos animais, principalmente no caso de criação de suínos..
  • Construção de cochos para abastecimento de água para o gado ao longo da propriedade, evitando o trânsito de animais junto às nascentes e córregos. 

Referências Bibliográficas.
mma.gov.br/ embrapa.br/ uberaba.mg.gov.br/ emater.mg.gov.br/ ecodebate.com.br

Um comentário:

Anônimo disse...

Depois de ler o assunto aqui, chamei meu pai e estamos recuperando uma nascente no sitio com cercamento e reflorestamento com vegetação local