Pesquisar no blog

terça-feira, 7 de abril de 2015

OS IMPACTOS DA ENERGIA EÓLICA



A energia eólica é a energia obtida pelos ventos que são o ar em movimento. É uma abundante fonte de energia, renovável, limpa e disponível em todos os lugares.





Os moinhos de vento foram inventados na Pérsia provavelmente no século VII a.c.. Foram usados nesta época para bombear água para irrigação. Os mecanismos básicos de um moinho de vento não mudaram desde então. O vento atinge uma hélice que ao movimentar-se gira um eixo que impulsiona um gerador de eletricidade. Os ventos são gerados pelas diferenças de temperatura entre a terra e as águas, planícies ou montanhas, tanto nas regiões equatoriais quanto nos polos do planeta Terra.A quantidade de energia disponível no vento varia de acordo com as estações do ano e as horas do dia. A topografia e a rugosidade do solo também tem grande influência na distribuição de frequência de ocorrência dos ventos e de sua velocidade em um local. Atualmente se assiste no país uma verdadeira onde de usinas para produção de energia a partir do vento em várias regiões do país. Usinas eólicas não queimam combustíveis fósseis, mas são de grande porte e por isso alteram as paisagens com suas torres e hélices.

IMPACTO
O maior impacto que causam é interferir nas rotas dos pássaros migratórios, que costumam voar em formações e não tem boa capacidade de visão. Os bandos de pássaros se movimentam por mecanismos instintivos e aproveitam as correntes convectivas ascendentes do ar para se movimentarem, principalmente quando estão em grandes formações. A instalação das usinas ou fazendas eólicas exige grandes estudos dos ecossistemas locais, pois as zonas que concentram ventos também são frequentemente as rotas principais das aves migratórias pelos mesmos motivos. Além disso, as usinas ou fazendas eólicas emitem certo nível de ruído de baixa frequência, que podem causar desconforto e interferir em transmissão de televisão ou outros tipos de ondas provenientes de radiações eletromagnéticas.

CUSTO
O custo dos geradores eólicos é elevado, porém o vento é uma fonte inesgotável de energia. E as plantas eólicas têm um retorno financeiro a um curto prazo que atrai grandes grupos investidores para esta modalidade de geração de energia elétrica. As plantas eólicas não são consideradas como uma fonte de energia “firme”, pois dependem da existência de ventos que por sua vez depende de variações de temperatura e outros fatores. Nas regiões muito afetadas por chuvas ocorre desperdício energético muito elevado nesta fonte de geração. Por isso, normalmente se utiliza a energia produzida por usinas ou fazendas eólicas apenas para adição aos sistemas integrados de geração energética, uma vez que em certos momentos, a produção proveniente desta geração pode ser relativamente reduzida. Mas sem dúvida, a energia eólica se soma a energia solar como duas das fontes de alto potencial em nosso país. A estruturação de uma matriz energética que contemple a integração da geração a partir destas fontes alternativas é de extrema importância.
Os registros bibliográficos existentes demonstram que em alguns países europeus, como Espanha e Alemanha, a geração a partir de fontes eólicas, bem planejada e integrada com os demais tipos de geração energética, tem grande importância e corresponde a percentuais relevantes da geração destes países.
A energia eólica tem sido aproveitada desde a antiguidade para mover os barcos impulsionados por velas ou para fazer funcionar a engrenagem de moinhos, ao mover as suas pás. Energia eólica é a transformação da energia do vento em energia útil, tal como na utilização de aerogeradores para produzir eletricidade, moinhos de vento para produzir energia mecânica ou velas para impulsionar veleiros. Enquanto alternativa aos combustíveis fósseis, é renovável, está permanentemente disponível, pode ser produzida em qualquer região, é limpa, não produz gases de efeito de estufa durante a produção e requer menos terreno. O impacto ambiental é geralmente menos problemático do que o de outras fontes de energia.


PARA SABER MAIS CLIQUE AQUI

referência:
ecodebate /  wikipedia

Nenhum comentário: