Pesquisar no blog

terça-feira, 21 de agosto de 2012

CURIOSOS INSETOS BRASILEIROS

O Brasil é um país com uma enorme variedade de animais e milhares de tipos de insetos. Para uma aventureiro é fundamental conhecer o máximo possível sobre esses seres. pois normalmente um aventureiro está em constante contato com o habitat deles. Muitas pessoas  passam mal só com a ideia de se deparar com alguma criaturinha de várias patinhas, antenas e asas . 


O maior do mundo
O nome deste besouro descomunal só podia ser este mesmo: gigante titânico. Ele é o recordista da ordem dos coleópteros, que reúne nada menos que 330 000 espécies. Mas, apesar de grande, é pouco conhecido. Quase todo tempo, esconde-se sob a casca das árvores. Às vezes voa.
Até 22 cm - Titanus giganteus - Amazônia


Finas como o ar
Asas transparentes também podem ser um meio de defesa. Esta borboleta do gênero Cithaerias pireta são quase invisíveis no ar. Paradas, tornam-se vulneráveis porque contrastam com o lugar em que pousam. Em último caso, têm “olhos falsos” na ponta das asas. Os predadores, que mordem pela cabeça, se confundem e mordem a asa. E ela ainda pode fugir.
Até 4 cm - Cithaerias - Amazônia


Bom de briga
O chamado besouro-rinoceronte é raro e desconhecido. Apenas os machos têm este vasto chifre, usado nas brigas pela disputa de namoradas. A ponta da cabeça parece um espeto, mas, na verdade, funciona como uma alavanca. Serve para virar o oponente de pernas para cima. O vencedor esforçado conquista o direito de procriar.
Até 15 cm - Dynastes hercules - Mata Atlântica e Amazônia


Roxo para enganar
Gafanhotos não são vistosos. Neste albipes, o belo tom roxo é um problema. É que seus principais predadores, as aves, seguem o bicho no ar, atrás do colorido forte. Ao pousar, ele fecha as asas e o roxo desaparece, confundindo o perseguidor. Só aí pode comer em paz: são vorazes devoradores de plantas.
Até 9,5 cm - Titanacris albipes - Amazônia

Mariposa tecelã
São os bichos-da-seda brasileiros. Os fios que tecem para montar os casulos têm maciez e resistência suficientes para virar tecido. Isso só não aconteceu ainda porque os casulos são irregulares e ninguém descobriu um método para desenrolá-los. As tecelãs desmentem a falsa impressão de que as mariposas são sempre feias
Até 9,5 cm - Rothschildia hopfferi - todo o país

O voo mais alto
Seda azul e corcovado são os nomes populares destas joias invertebradas que voam a mais de 10 metros de altura, um recorde entre as borboletas. É uma espécie que gosta de calor, encontrada apenas nos trópicos. A azul (no alto, à esquerda) é o macho. A fêmea (acima) é alaranjada e 2 centímetros maior
Até 9 cm - Morpho rhetenor - Amazônia

Soberana da mata
Conhecida popularmente como imperador, é a maior do planeta. Aparece no Brasil todo, inclusive em áreas urbanas. Ao contrário das borboletas, as mariposas só voam à noite. Por isso, geraram uma superstição: as grandes são chamadas de “bruxas”. Acredita-se que tragam má sorte às casas e jardins que frequentam. Até 30 cm de invergadura - Thysania agrippina - todo o país, inclusive áreas urbanas

Matemática
Borboletas do genero Catagramma, como estas ao lado, têm, sobre as asas, belas manchas diferenciadas, vermelhas e azuis, em fundo preto (acima), e, embaixo (a esquerda), o número 80. Esses padrões de desenho, com suas sutis diferenças, servem para identificar as parentas
Até 6 cm - Catagramma sorana - Norte e Nordeste

Caçadora feroz
Tão dócil que pode ser tocada, esta monstruosa vespa torna-se agressiva ao caçar seu prato predileto, as aranhas. Ela pega mas não mata: injeta um veneno que deixa os aracnídeos adormecidos, abre um buraco na terra, põe um ovo sobre a presa e a enterra. Como os monstros do filme Allien, o Oitavo Passageiro, o filhote cresce dentro do hospedeiro.
Até 6,5 cm - Pespis heros - Amazônia

Disfarce perfeito
Para encontrar o bicho-pau, este comprido e ameaçador parente do gafanhoto, é preciso ter olho vivo. Ele some na vegetação. Mas o grandão aí é um dos insetos mais inofensivos que existem. Ele só come folha de goiaba. A fêmea tem uma espécie de catapulta no abdome que atira os ovos longe. Assim, a ninhada não é devorada de uma só vez por um predador.
Até 30 cm - Phibalosoma phyllinum - matas, no Brasil todo, e cerrados

Louco por chocolate
Sombra e umidade é uma festa para este besouro que dá nas plantações de cacau – o fruto do chocolate, na Bahia. É outro ilustre desconhecido. A derrubada dos cacaueiros e sua substituição por cana-de-açúcar e pastagens ameaça extinguir a espécie antes mesmo de ela ser estudada.
Até 8 cm - Megasoma gyas - Mata Atlântica

Bom marceneiro
O serra-pau é um besouro que corta madeira para comer. Apesar da pinta braba, é uma fera mansa: suas mandíbulas dentadas não matam ninguém, só cortam galhos. As larvas abrem vastas galerias nos troncos. Assim, o serra-pau passa boa parte do dia escondido sob a casca das árvores. Os macacos, que sabem disso, adoram come-los.
Até 16 cm - Macrodontia cervicornis - Mata Atlântica

Postar um comentário