Pesquisar no blog

segunda-feira, 2 de abril de 2012

CONSERVAR É MAIS LUCRATIVO QUE EXTINGUIR

Há vários bons motivos para conservar a biodiversidade. Uma parte desses motivos tem relação com a própria existência da biodiversidade e outros estão relacionados com a sobrevivência da nossa espécie. É difícil responder objetivamente à questão: "A biodiversidade tem um valor intrínseco?" Por outro lado, os motivos relacionados com o uso da biodiversidade e sua utilidade para humanidade encontram ecos mais facilmente. O comprometimento dos serviços ecológicos, principalmente em países como o nosso, resulta em aumento da exclusão social e econômica de uma parcela maior da população.




Por que é importante conservar a biodiversidade ?


 ALGUNS ANIMAIS E PLANTAS QUE NOS ENSINAM PORQUE É MAIS LUCRATIVO CONSERVAR E ESTUDAR A NATUREZA DO QUE DESMATAR, QUEIMAR E EXTINGUIR

Armadeira
Esta aranha da Floresta Amazônica é uma das muitas espécies venenosas que vêm sendo estudadas. Segundo os pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais, o veneno da armadeira (Phoneutria nigriventer) é a matéria-prima para a produção de um analgésico poderoso e que, quando tiver sido transformado em medicamento, será mais valioso que o ouro. Um só grama poderá ser exportado por até 4 000 dólares. E pensar que essa espécie poderia ter sido extinta com as queimadas

Dourado
Desde o início da década de 90, quando a transparência das águas dos rios Formoso e Prata foi descoberta, o ecoturismo passou a ser a principal fonte de sustento da cidade de Bonito, no Mato Grosso do Sul. Em 2000, uma pesquisa de opinião revelou que quase 70% dos 60 000 visitantes que a cidade recebeu naquele ano foram atraídos pela possibilidade de nadar ao lado dos peixes da região, como o dourado (Salminus maxillosus), o curimbatá (Prochilodus lineatus) e a piraputanga (Brycon microlepis).

Pequi
Ingrediente indispensável da culinária goiana, o pequi (Caryocar brasiliense) pode ser servido com arroz, frango ou em forma de licor. Rico em calorias, proteínas, vitaminas A e E, ele combate a desnutrição em áreas pobres do Centro-Oeste e do Nordeste. Transformado em xarope, o óleo de castanha de pequi ajuda a tratar bronquite e asma.

Jacaré
O jacaré-do-pantanal (Caiman crocodilus yacare) tem múltiplas utilidades. A pele é usada para fazer bolsas e sapatos, as glândulas têm substâncias usadas em fixadores de perfumes e a gordura faz parte da formulação de remédios para asma e bronquite. A criação comercial de jacarés está permitida desde 1990. A medida reduziu drasticamente a caça predatória ao réptil, que voltou a ser encontrado em grandes quantidades no Pantanal.


Fruta-de-lobo
A lobeira (Solanum lycocarpum) é um arbusto de até 3 metros de altura, muito comum no Cerrado brasileiro. Além de ser o alimento favorito do lobo-guará – daí o apelido –, está sendo pesquisada pela Universidade Federal de Goiás por causa de suas propriedades terapêuticas. A fruta contém alcalóides que combatem problemas pulmonares causados por fungos. Além disso, é usada pelos nativos para tratar diabetes, gastrite, úlcera, ansiedade e prisão de ventre.

Andiroba
A andiroba (Carapa guianensis) começou a ficar conhecida quando a Fundação Oswaldo Cruz, do Rio de Janeiro, descobriu que o óleo dessa planta amazônica espantava os mosquitos transmissores da dengue e da malária. As sementes da andiroba também são usadas comercialmente em xampus e sabonetes, graças à sua ação anti-inflamatória, capaz de operar maravilhas em peles cobertas de espinhas.


Tartaruga-marinha
Graças aos ecologistas, a principal utilidade econômica da tartaruga-marinha (Caretta caretta) já não é a extração de sua carne e ovos, que quase provocaram sua extinção. Hoje, a venda de camisetas e a cobrança de entrada nos núcleos do Projeto Tamar, como a Praia do Forte, ajudam a sustentar as famílias dos pescadores que colaboram para a conservação da espécie, além de trazer turistas para as praias visitadas.


Cascavel
A picada da cascavel (Crotalus durissus terrificus) é muito dolorida, mas seu veneno pode ser transformado em analgésico, capaz de aliviar a dor causada por tumores e processos inflamatórios. No entanto, ela não é a única serpente a atrair a atenção dos cientistas. 


jararaca

As espécies deste gênero são as maiores responsáveis por acidentes ofídicos nas Américas, assim como por mortalidade. Com o veneno da Bothrops jararaca, o Instituto Butantan desenvolveu um remédio contra a hipertensão arterial, o Evasins,(captopril), um dos medicamentos mais utilizados para tratamento de hipertensão.  

Camu-camu
O gosto azedo do camu-camu (Myrciaria dubia) nunca fez muito sucesso. Mas foi só descobrirem que a fruta concentra 70 vezes mais vitamina C que a laranja para ela atrair a atenção de cientistas e consumidores. São 3 miligramas de vitamina para cada 100 gramas de fruta. Além disso, é rico em flavonóides, substâncias que ajudam a evitar o câncer. Por isso, o camu-camu já está sendo chamado de elixir da Floresta Amazônica.

Conus regius
O Conus regius é muito coletado na costa brasileira para ser vendido como objeto de decoração. Se você topar com um deles, cuidado. Quando incomodado, o molusco pode liberar um coquetel de neurotoxinas capaz de matar um ser humano. A composição do veneno do bicho está sendo estudada no Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. Acredita-se que ele contenha substâncias úteis no tratamento da dor, do Mal de Alzheimer e da esquizofrenia.

Capivara
Nas décadas de 60 e 70, a capivara (Hydrochaeris hydrochaeris) foi intensamente caçada no Pantanal. Hoje, ela é criada em fazendas do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, sempre com autorização do Ibama. Além da carne, muito saborosa, a pele desse roedor é elástica, resistente e suave, perfeita para a fabricação de luvas e bolsas. Estima-se que cerca de 400 000 capivaras vivam livremente no Pantanal. E a caça continua proibida por lei...

fonte.
revista superinteressante
http://www.douradosnews.com.br/arquivo/por-que-conservar-a-biodiversidade-eac9e24491372219c4eec8e141cd6ceb
http://necbio.blogspot.com.br/2010/07/por-que-e-importante-conservar.html

Nenhum comentário: